Saltar para o conteúdo

Em meu sorriso a minha entrega

Um busto de Amália por Joaquim Valente

07 mai 2021 — 31 out 202110h – 18h

3 € (inclui entrada no Museu)

Ao longo de mais de meio século, Amália Rodrigues cantou Lisboa, incarnando e projetando a cidade dentro e fora do país. A figura da fadista, alimentada pela indústria dos media, contribui para uma renovação da imagética fadista e da cidade. Na década de 1940, o escultor Joaquim Valente foi responsável por uma das representações plásticas mais icónicas da fadista. De cabeça inclinada, de olhos fechados, de rosto sereno, o busto de Valente retrata Amália em comunhão com as suas emoções e o fado. Esta obra tornar-se-ia emblemática ao figurar na capa do álbum, gravado em 1962, no qual Amália chama ao canto, pela primeira vez, as vozes de poetas eruditos e com o qual a fadista inicia a sua parceria artística com o compositor Alain Oulman. Sem título, seminal e revolucionário, o álbum ficaria conhecido para sempre como Busto. Associando-se às comemorações do centenário do nascimento da fadista, revisitando as coleções do Museu de Lisboa, esta exposição conta a história deste busto.

Saiba mais aqui

Amalia_MuseuNacionaldoTeatro 150586.jpg

@ Museu Nacional do Teatro e da Dança

BustodeAmalia.BX.jpg

@ Col. Estúdio Mário Novais / FCG – Biblioteca de Arte e Arquivos

Foto 3 - Amália sentada numa poltrona diante do busto de Joaquim Valente (Aviz, 1952).jpg

@ Museu Nacional do Teatro e da Dança

Foto 5 -Amália Rodrigues e Alain Oulman (1962).jpg

@ Museu Nacional do Teatro e da Dança

Foto 4 -LP Busto_capa_ed mono.jpg

© Museu de Lisboa

Amália Rodrigues ao piano em Madrid

Amália Rodrigues ao piano em Madrid @ Museu Nacional do Teatro e da Dança